Seguidores

17.8.08

Mildred Harris



Mildred Harris nasceu em Wyoming, EUA, em 29 de novembro de 1901. Fez sua primeira aparição no cinema aos 11 anos, no filme “The post telegrapher”, de 1912, seguindo mais algumas películas juvenis, incluindo “The wonderful Wizard of Oz”, inspirando na obra de Frank Baum. Seguiu trabalhando com os maiores diretores do cinema mudo, Cecil B.DeMille, Thomas Ince e D.W. Griffith. Aos 15 anos apareceu no filme épico Intolerance, de D.W.Griffith, numa cena do harém.


Aos 14 anos conheceu Charles Chaplin, de 28, que já era, então, um grande astro do cinema. Iniciaram um romance. Casaram-se em outubro de 1917, numa cerimônia privada. Pensavam que ela estava grávida. Segundo Mildred, Chaplin casou-se com ela e depois a esqueceu por completo". Norman nasceu 8 meses e 15 dias depois do casamento e morreu 2 dias depois, por problemas no intestino, causados, provavelmente, pelas drogas anti-depressivas ingeridas pela mãe no início da gravidez. Charlie deixou claro que não queria aquele filho. Mas sofreu profundamente com o fato. Nessa época ele começou a fazer "The kid". Um desabafo? Mildred tentou de todas as formas salvar o casamento, ora tentando ser uma dona de casa exemplar, ora tornando-se frequentadora das igrejas em busca de apoio espiritual. Enfim, tomada pela depressão, tornou-se uma alcoólatra. No início da década de 20 o casamento foi desfeito de mais escândalos (acusações de traições mútuas).


L. B. Mayer resolveu aproveitar-se da fama dos Chaplin, e mesmo após a separação, conservou o nome da atriz como Mildred Harris Chaplin, o que desencadeou uma guerra com o diretor e comediante.


Mildred ainda chegou a estrelar alguns filmes como “The Power of the Presse”, “The Courtship of O San” “The daring years” (com Clara Bow) e “Cruise of the Jasper B”. com a chegada do cinema sonoro, ela foi uma das que não se adaptaram, tendo sido bastante criticada pela adaptação da Broadway para as telas de “No, no Nanette”. a partir de então só pequenas participações até a década de 40.


Sofreu de depressão profunda, por praticamente toda a vida, ingerindo diversas drogas e passando por várias clínicas de tratamento. Após The Kid, foi anunciado o divórcio, mas a carreira dela nunca mais seria a mesma. Depois de Chaplin, casou-se mais uma vez. Morreu ainda jovem, de pneumonia, aos 43 anos. Não teve filhos.


Um comentário:

Heri, hodie, cras, cotidie... disse...

Quer dizer que a cidade de Wyoming nos Estados Unidos existe de fato? E foi o berço de nascimento da ex-mulher de Chaplin? Por que diabos chamam-na de fictícia quando nos comentários do filme "O segredo de Brokeback Mountain"? Acho que talvez seja a montanha que não exista de fato. Poxa, que triste a vida dela, a doença da depressão é triste e só se conhece bem quem a possui. Difícil convivência. Triste história de vida. Uma excelente semana para você.

Related Posts with Thumbnails