Seguidores

26.9.08

Astros da Era de Ouro do cinema recebiam fortunas para fumar nos filmes


PARIS (AFP) — As grandes empresas de cigarro pagavam quantias milionárias às estrelas de Hollywood na primeira metade do século passado para que aparecessem fumando nos filmes, de acordo com pesquisadores que tiveram acesso a alguns desses contratos.

Clark Gable, Spencer Tracey, Joan Crawford, John Wayne e Bette Davis foram algumas das míticas estrelas cinematográficas usadas pela indústria do tabaco, mediante o pagamento de milhões de dólares, para dar uma imagem de "glamour" ao cigarro, denunciaram os pesquisadores.

Um equipe dirigida pelo professor Stanton Glanzt, do Centro de Pesquisa e de Educação sobre o Controle do Tabagismo da Universidade da Califórnia (EUA), teve acesso aos contratos assinados entre os produtores de cigarro e as grandes estrelas de Hollywood desde o início do cinema falado, no final da década de 1920, até a chegada da TV, nos anos 1950.

O grupo comprovou que Paramount e Warner Bros eram os estúdios com mais acordos promocionais com essas empresas, especialmente Lucky Strike (American Tobacco) e Chesterfield (Ligget & Myers).

Somente a American Tobacco pagou, no final de 1930, o equivalente hoje a US$ 3,2 milhões aos astros do cinema para relacioná-los aos cigarros Lucky Strike. Foi assim que as grandes estrelas da época ajudaram a promover a imagem da marca Lucky Strike, Old Gold, Chesterfield, ou Camel, entre outras.

Os pesquisadores destacam a sinergia entre ambas as indústrias, já que os produtores de tabaco ganham uma melhor "aceitação social" do cigarro, e os estúdios de cinema se aproveitam das estratégias comerciais desse setor.

A presença de fumantes na telona é denunciada, com freqüência, como incentivo ao tabagismo de jovens e adolescentes. Já os que se opõem a uma regulamentação sobre artistas que fumam nos filmes defendem que a representação do cigarro faz parte do patrimônio artístico do cinema americano e citam clássicos como "Casablanca" (1942).

O estudo, financiado pelo Instituto Nacional do Câncer Grant, aparece nesta quinta-feira na revista especializada britânica "Tobacco Control".

Fonte:

Um comentário:

Cynthia disse...

E assim, o cigarro rendeu o mundo com sua fantasia e não com sua verdadeira carapuça, aos poucos, mostrando o que mais tarde seria a face sem escrúpulos de um enfizema e um câncer de pulmão para o nosso cotidiano!

Related Posts with Thumbnails