Seguidores

15.2.09

ABC de Natalie Wood


Altura: 1.52 m


Brigas: Natalie sempre teve problemas com a mãe, que a obrigou a trabalhar desde cedo. Depois de crescida, a atriz cortou relações com sua mãe, que se tornou
nula depois que a mãe tentou fazer da neta também uma atriz.


Casamentos: Robert Wagner (1957-1962 e 1972 até a morte), Richard Gregson (1969-1971)


Descendência: seus pais eram russos.


Estréia: aos 4 anos, no filme The Moon Is Down.

Filhos: Natasha Gregson Wagner e Courtney Wagner.


Grandes sucessos: Milagre na rua 34 (clássico natalino), Rebeldes sem causa



Homens em sua vida: Warren Beatty, Dennis Hopper, Steve McQueen, Frank Sinatra, Tab Hunter.


Irmãs: Lana Wood e Olga Wood.


Juventude transviada: dormiu com o diretor Nicholas Ray para conseguir o papel. Durante as filmagens envolveu-se com James Dean.


Línguas: inglês e russo.



Morte: até hoje considerada misteriosa. Estava em um veleiro com seu marido e um amigo, e as explicações (ela teria ido pegar algo e caiu, afogando-se) não convencem, devido ao medo que ela tinha da água.



Nome verdadeiro: Natasha Nikolaevna Gurdin.



Oscar: foi indicada por “Rebel Whithout A Cause” (1955), “Splendor In The Grass” (1961),
“Love With the Proper Stranger” (1963)



Presenças: foram em seu funeral Rock Hudson, Frank Sinatra, Laurence Olivier, Elia Kazan, Gregory Peck, David Niven e Fred Astaire.


Rei: Elvis Presley quis casar-se com ela, mas sua mãe não deixou por ela ser jovem demais.



Splendor: o nome do iate onde ela estava quando morreu, assim batizado por causa do seu filme “Splendor Grass”.



Traumas: quando era criança, quase se afogou durante as filmagens de “The Green Promise”. Depois disso ela ficou com pavor, evitando o mar. Em outra ocasião ela quebrou o pulso, mas a mãe dela não a levou ao hospital. O resultado foi que ela ficou com o pulso deformado.



Um fracasso: Scudda Hoo! Scudda Hay!, de 1948, ao lado de Paul Newman.



Vivien Leight: sua atriz preferida



Westwood Memorial Park, Los Angeles, California, USA: local onde está enterrada.


Taí a matéria que a Sônia pediu. :)

5 comentários:

M. disse...

Que lindo ABC da Natalie Wood! Amei o tamanho das fotos e toda essa curiosidade.

Sônia disse...

Agradeço do fundo do meu coração por esta matéria. Não tenho nem palavras para agradecer. Valeu pela delicadeza e generosidade de vcs. Serei eternamente grata por vcs terem atendido ao meu pedido . Amei o capricho das fotos da minha querida Natalie que se estivesse viva completaria 71 anos. Ela foi para o céu, porém sua obra sempre será eterna.

Sônia disse...

Uma inesquecível Estrela no céu

Sempre fico emocionada quando escrevo sobre a Natalie. Tudo nela foi muito rápido e precoçe. Começou ainda menina por influência da mãe e, até mesmo, da própria época. Doces anos 40 em que talentos mirins surgiam em filmes quase sempre sentimentais. Lembrando da Elisabeth Taylor que fez sucesso com "Lassie" entre outros. Natalie foi nesta onda e em 1946 apareceu num filme de Orson Welles que recebeu o título em português de " O amanhã é eterno". Pouco tempo depois, natalie estorou em " Milagre na rua 34". Virou estrela mirim da noite para o dia neste clássico natalino de 1947. Em " Milagre na rua 34" trabalhou com a veterana Maureen o'Hara. Olha a responsabilidade para uma criança de apenas 9 anos! Já em 1951, trabalharia com Jane Wyman no filme "Ainda há sol em minha vida". Em 1952, faria o papel da filha de Bette Davis em " Lágrimas tardias". Só feras trabalharam com ela. Ainda adolescente, embarcou na produção " O Cálice Sagrado" de 1954. Neste filme que foi um fiasco de bilheteria conheceu o iniciante Paul Newman e a lindíssima Pier Angeli. Foi em 1955 que Natalie viu sua vida mudar radicalmente, pois muitos só a viam como uma daquelas atrizes que começam crianças e somem dos holofotes na vida adulta. Ao trabalhar em " Juventude transvidada", finalmente reconheceram que ela tinha talento e que era uma atriz promissora. De repente, Natalie se tornou musa teen e conquistou toda uma geração na pele de Judy. Daí por diante, sua carreira deu um salto com sua indicação ao oscar por " Juventude transviada". As responsabilidades aumentaram para alguém de apenas 17 anos. Em 1956, foi dirigida por Jonh Ford em " Rastros de Ódio" e de brinde contracenou com o consagrado Jonh wayne. Em 1957, foi a vez de trabalhar com Gene Kelly em " Até o último alento". Neste mesmo ano, ralou muito em outras produções. Conheceu o ator Robert Wagner e se casou com ele em 1957. Em 1960, ambos trabalhariam juntos em " Amantes impetuosos". O filme não foi um grande sucesso público. Até que apareceu a oportunidade de viver a meiga Maria em "Amor, sublime amor". O filme cativou crítica, público e ganhou vários oscars. Natalie cativou o público vivendo uma porto-riquenha que se apaixona pelo fofo Richard Beymer.Um amor proibido pelo irmão de Maria e pelos amigos de Tony. A grande virada de Natalie aconteceu quando recebeu o convite de trabalhar com Elia Kazan em " Clamor do sexo" ou "Splendor in the grass". Sua atuação surpreendeu os críticos, que passaram então a respeítá-la como uma atriz madura. Nesta época, natatie se envolveu nas filmagens de "Clamor do sexo" com o ator Warren Beatty. O romance deu muito o que falar, pois Natalie ainda estava casada com Robert Wagner e Warren era noivo. Depois, Natalie e Robert romperam o casamento e cada um foi para um lado. O sucesso não parou por aí. Em 1963, Natalie trabalharia ao lado de Steven Mcqueen no polêmico filme "O preço de um prazer". Daí, firmou parceria com o diretor Robert Mulligan e apareceria em outro filme deste diretor " Á procura de um destino". Natalie já era uma atriz consagrada quando em meados dos anos 60, começou a sofrer de estafa. Fazia filmes quase que um atrás do outro. Em 1966, Trabalhou em "Esta mulher é proibida" ao lado de Robert Redford. Então, Natalie decidiu que era a hora de dimuir o ritmo de trabalho. Em 1967, decidiu parar tudo e dar um tempo para cuidar mais de si própria. Daí, partiu o desejo de ser mãe e dar mais atenção à sua própria vida. Fugiu das badalações de Hollywood e se casou pela segunda vez Richard gregson. Nesta época, realizou o sonho de ser mãe. Teve uma menina chamada Natasha. Decidiu voltar-se mais para o lar e para a sua filha. Em 1971, já divorciada de seu segundo marido, Natalie reecontra Robert e a paixão volta com força total. Ambos, se casam novamente e Natalie engravida de Courtney. Em meados dos anos 70, Natalie já afastada alguns anos do cinema tenta voltar a atuar. Começou a atuar para a televisão e participou de alguns filmes que não fizeram grande sucesso. No início dos anos 80, Natalie começa a investir mais em sua carreira e começa a filmar. Só que em 1981, esta estrela morreu num incidente misterioso.
Fico até emocionada em escrever que Natalie foi uma das maiores atrizes de todos os tempos.Não só atriz, foi um grande ser humano. Seus filmes tornaram-se eternos e ela está entre as estrelas do céu.Quem sabe? Numa constelação de estrelas.

Carla Marinho disse...

nossa, sonia, dá pra ver que vc realmente gosta da Natalie. Um amigo meu me mandou um email em que dizia que a achou parecida com algumas atrizes brasileiras, como a nossa Fernandinha Montenegro, Leandra Leal e Carolina Ferraz.

Mary West disse...

Lembrando que o tal amigo que tava com ela no Splendor, era nada mais nada menos, que o maravilhoso ator Christopher Walker.

Related Posts with Thumbnails