Seguidores

26.3.10

Neta de Warner explora disputa familiar

http://www.inklessmagazine.com/wp-content/uploads/2009/12/Cass-Warner.jpg

 

Cass Warner Sperling chama sua produtora de Warner Sisters e tem todo o direito de usar o nome da famosa indústria cinematográfica. Ela é neta de Harry Warner, um dos fundadores da Warner Bros., e cresceu nos estudos de filmagem.

Qualquer um com interesse na história da antiga Hollywood conhece o despótico Jack Warner. Mas existiram quatro irmãos Warner, e Sperling se dedica a contar a história completa. Ela dirigiu um documentário, The Brothers Warner, baseado no livro que publicou em 1993. O filme está agora em DVD.

Jack Warner não era nem de longe querido por alguns membros da família, que dizem que ele usou meios escusos para ganhar o controle do estúdio. Ele também ganhou muitos inimigos por suas ferozes visões anticomunistas. O abismo entre Jack e Harry era imenso.

http://www.georgegroves.org.uk/belllabs_files/brotherswarner.jpg

O filme tenta esclarecer as coisas por meio da apresentação de filmes caseiros, fotografias e novas entrevistas com pessoas como Dennis Hopper, George Segal, Debbie Reynolds e outros que tinham acordos íntimos com a Warner Bros.

Sperling falou por telefone de Santa Bárbara.

Durante sua era de ouro, a Warner Bros. era conhecida por um certo tipo de filme. Qual?
Tenho muito orgulho desse fato e é uma das razões de eu ter assumido esse projeto, por eles terem feito os primeiros filmes de conscientização social (em Hollywood). Eles tiravam as ideias para histórias das manchetes de jornal e as davam aos roteiristas, dizendo, "escrevam algo sobre isso". Assim, os filmes tratavam dos assuntos do dia para o homem comum nas ruas, algo que não era típico naquela época.

Você disse no filme que tinha acesso livre ao estúdio quando criança.
Meu pai, Milton Sperling -que era um roteirista e produtor brilhante, indicado ao Oscar por A Corte Marcial de Billy Mitchell¿, costumava trabalhar lá. E eu tinha o privilégio de ir com ele todo sábado... e ficava por lá, assistindo a ele e ao meu avô trabalharem. Eu andava pelo local, entrava em qualquer lugar onde uma luz vermelha não estivesse piscando e assistia à mágica. Eu era louca por Clint Walker, o cara que interpretava Cheyenne (risos). Ele na verdade arruinou a minha vida, porque era o homem mais lindo que eu já conheci ou vi. No meu 12º aniversário, meu pai pediu que ele me desse um abraço e desde então eu não fui a mesma (risos).

Você diz que Jack tirou os irmãos da história. Você pode explicar isso?
Jack escreveu um livro depois que seus irmãos haviam falecido, e meio que inventou as coisas que se adequavam à sua imaginação. Ele não esclareceu os fatos direito (risos). E essa é uma das razões de eu ter escrito o meu livro, que saiu em 1993 -e ainda está à venda, aliás.

Por que você acha que Jack e Harry não se davam bem? Um dos motivos era em parte a política?
Essa é a pergunta de um milhão de dólares. Quando as pessoas dizem, "nossa, como você lida com o fato de que Jack traiu o seu avô daquele jeito?", sempre digo, "desculpe, será que alguém na plateia pode levantar a mão e me dizer se já teve conflitos familiares assim?". (Jack e Harry) simplesmente tinham mais coisas em jogo. E eles não poderiam ter personalidades mais diferentes, além de terem uma diferença de idade de 11 anos e estilos de vida e de fazer negócios distintos. Meu pai disse que se houvesse na época títulos como CEO e presidente, Harry deveria ter sido o CEO e Jack o presidente. Quando você tem o poder e não o delega, pode se preparar para ser apunhalado pelas costas.

A produção do filme mudou seus sentimentos sobre Jack?
Mudou muito. Eu o entendo e o perdoo. Foi isso que o filme me permitiu fazer. Não estava lá e não sei realmente o que aconteceu. Mas passei 30 anos da minha vida entrevistando pessoas que estavam lá e só posso deduzir a partir do que ouvi dos outros. Sei que num conflito, num relacionamento, em países que lutam contra outros, sempre existe alguém nos bastidores sussurrando coisas mal intencionadas sobre a outra pessoa, ou outro país, alimentando o fogo. Não há diferença (em relação aos problemas de Jack e Harry). Acho que qualquer conflito pode ser resolvido por meio da comunicação. Infelizmente, isso não aconteceu com Jack e Harry ¿ nunca. As coisas só apodreceram e eles levaram isso para o túmulo.

Haverá um longa-metragem baseado em The Brothers Warner. Imagine que você estivesse escolhendo os atores que interpretariam Harry e Jack.
Tenho esse filme na cabeça desde que Jack Nicholson era jovem o bastante para interpretar Jack, e Dennis Hopper jovem o bastante para interpretar Harry. Não teria sido o máximo?

The New York Times

Fonte da notícia: Terra Cinema

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails